}

sábado, 2 de novembro de 2013

A Evolução da Fotografia


  
Século XXI; período marcado pelo intenso desenvolvimento das ciências e tecnologias de ponta, em que a velocidade das informações e o encurtamento das distâncias tornam-se as bases dessa nova geração. Muito raramente paramos para pensar sobre o funcionamento das coisas. Quando falo “coisas” refiro-me aos objetos que utilizamos cotidianamente, como os aparelhos celulares, tvs, computadores e etc. Dentre muitos, existe um que por vez merece destaque: A Máquina Fotográfica.

Hoje utilizamos câmeras digitais, para registrar momentos que consideramos importantes em nossas vidas, ou em muitos casos utiliza-se as imagens capturadas pelas máquinas pra outras atividades no ramo das ciências e da arte. Contudo essa é uma prática que surge entre 1833 e 1839. O método desenvolvido para capturar as imagens consistia na utilização de óleo de betume da Judéia ( o asfalto que era utilizado naquele período)  em óleo de lavanda, de forma que essa mistura era posta sobre uma lamina feita de liga metálica, formando uma emulsão mole e sensível a luz solar que posteriormente era colocada dentro de uma câmera escura posicionada frente a imagem que se pretendia capturar por um período de 8 horas. Passado esse tempo, essa folha metálica era lavada com um solvente para remover as partes moles da emulsão que não foram expostas a luz. E enfim tinha-se a fotografia! Invenção que revolucionou a arte e também a guerra.

 

 A primeira fotografia foi produzida por Joseph NicephoreNiepce (1763 – 1833) na França. Aos poucos esse processo foi aprimorado, de acordo com a necessidade e a intencionalidade da época, dentre eles existiu o método daguerreótipos, desenvolvido por Louis Jacques Mande Daguerre (1787 – 1851) que exigia menos tempo para obtenção da imagem e a utilização da fotografia negativa utilizada por William Henry Fox Talbot (1800 – 1877).

Paralelo ao surgimento e desenvolvimento da fotografia, tem-se a criação das plataformas aéreas. O homem desde muito procurava imitar os pássaros e seu desejo de voar e perceber o mundo de uma outra forma era imensurável. Foram várias as invenções desde os ornitópteros, balões de ar quente, planadores e aviões.  Santos Dumont (1873 – 1932), aeronauta e inventor brasileiro, projetou os primeiros balões dirigíveis e foi capaz de provar que uma aeronave mais pesada que o ar, o 14-Bis, poderia voar. Entretanto existe um embate sobre quem teria feito tal descoberta teria sido os Irmãos Wrigth sob o Flyer1.

Desde então, o homem passou a realizar fotografias aéreas, com diferentes objetivos: planejamento, mapeamento de uma área que necessita ser estudada, entre outros. Neste contexto, não somente as aeronaves foram utilizadas como plataformas aéreas, com o intuito de se capturar as imagens, como também, couberam aos pombos o papel de “fotógrafos”. Os pombos correios eram treinados e a eles era acoplado uma câmera fotográfica que pesava em torno de 70 g. Aresolução da imagem e o alcance da mesma em relação  ao terreno a ser fotografado dependia da altitude do voo do animal. As fotografias eram tiradas automaticamente por meio de exposições em intervalos de 30 s. Tal prática data o ano de 1903. 


Nas duas Grandes Guerras e na Guerra Fria, as fotografias aéreas foram utilizadas para fazer mapas relativamente precisos sobre áreas com pouca informação para orientar o planejamento da estratégia militar, assim como também planejar o movimento das tropas e materiais. Ao longo dos anos as imagens foram capturadas com diversos objetivos e interesses, isso vem a depender da intencionalidade do sujeito sobre o objeto. Atualmente são múltiplas




Autora:  SODRÉ Juliana.








Referências:
Sensoriamento remoto do ambiente: Uma perspectiva em recursos terrestres – John R. Jensen

Nenhum comentário:

Postar um comentário